Dismorfia Corporal, conheça o transtorno, seus sintomas e saiba se você tem, teste online

Dismorfia Corporal, será que você tem essa percepção errada do seu próprio corpo? Faça o teste online e veja se você sofre de Dismorfia Corporal.

Passo 1 de 14 Você fica para trás em suas tarefas porque está ocupado cuidando de si mesmo?
2325 pessoas já fizeram este teste.

Dismorfia corporal: saiba o que é, sintomas, tratamento e teste online.

Dismorfia Corporal
Muitas pessoas podem se sentir insatisfeitas com alguns aspectos de sua aparência de tempos em tempos. Por exemplo, eles podem querer ter um nariz menor, um rosto mais fino ou uma aparência melhor. Algumas pessoas, no entanto, podem ir um pouco longe demais e desenvolver uma percepção extremamente negativa de seu corpo. Essa percepção é muitas vezes distorcida e pode ser um sinal de problemas de imagem corporal.

O que é o que é dismorfia corporal?


A disformia corporal é uma condição de saúde mental na qual você não consegue parar de pensar em um ou mais defeitos ou falhas percebidas em sua aparência, uma falha que aos olhos dos outros não é tão grave assim ou até nem seja perceptível. Mas você pode se sentir tão envergonhado(a) e ansioso ao ponto de evitar situações sociais, e buscar incessantemente por cirurgias ou truques para esconder a suposta falha.

Quando você tem transtorno dismórfico corporal, você se concentra intensamente em sua aparência e imagem corporal, verificando repetidamente o espelho, se arrumando ou buscando segurança, às vezes por muitas horas por dia e isso pode causar sofrimento significativo e afetar sua capacidade de viver normalmente.

Você acaba fazendo ou procurando por procedimentos cosméticos ou cirúrgicos para "corrigir" sua falha percebida. Depois, você pode sentir uma satisfação temporária ou uma redução em sua angústia, mas muitas vezes a ansiedade retorna e você pode voltar a procurar outras maneiras de corrigir sua falha percebida.

O que é disformia de imagem?

Dismorfia Corporal
A imagem corporal distorcida (também chamada de imagem corporal negativa) refere-se a uma visão irreal de como alguém vê seu corpo.

“Eu tenho cara de cavalo” é uma frase comum que um indivíduo pode usar quando está lutando contra a dismorfia de imagem.Como muitos outros transtornos de saúde mental, o transtorno dismórfico não pode ser curado. Ele só pode ser tratado.


Este também está inserido no contexto da dismofia corporal, também como a anorexia, bulimia, vigorexia etc.

Qual a diferença entre Dismorfobia e dismorfia?


Dismorfobia é o mesmo que dismorfia corporal que também conhecido como  TDC (transtorno dismórfico corporal).

Sintomas de dismorfia corporal


Os sinais mais comuns da dismorfia corporal são:

  • Preocupação excessiva com uma possível falha no corpo que afeta sua aparência,
  • Acredita muito que você tem um defeito grave em sua aparência que te deixa feio, mesmo com as pessoas dizendo o contrário,
  • Crença de que os outros notam sua aparência de maneira negativa ou zombam de você,
  • Envolver-se em comportamentos destinados a corrigir ou esconder a falha percebida que são difíceis de resistir ou controlar, como verificar com frequência o espelho, arrumar-se ou cutucar a pele,
  • Tentar esconder falhas com maquiagem ou roupas,
  • Constantemente comparando sua aparência com os outros,
  • Buscando frequentemente aceitação sobre sua aparência de outras pessoas,
  • Ter tendências perfeccionistas,
  • Buscando procedimentos estéticos com pouca satisfação,
  • Evitar situações sociais.

Dismorfia CorporalA preocupação com sua aparência e pensamentos excessivos e comportamentos repetitivos podem ser indesejados, difíceis de controlar e tão demorados que podem causar grandes angústias ou problemas em sua vida social, no seu local de trabalho, na escola ou qualquer área social que você participe.

A característica corporal "problemática" em que você se concentra pode mudar com o tempo. As características mais comuns que as pessoas tendem a se fixar incluem:
  • Partes do Rosto, pele, nariz, algumas rugas, problemas com acne etc.
  • Cabelo, como aparência, afinamento e calvície,
  • Aparência da pele e das veias,
  • Tamanho do peito,
  • Tamanho e tônus muscular,
  • Genitália

A preocupação com o fato de seu corpo ser muito pequeno ou não musculoso o suficiente (dismorfia muscular) ocorre quase exclusivamente em homens.


Dismorfia CorporalA percepção do o transtorno dismórfico corporal varia. Você pode reconhecer que suas crenças de algum problema estético no seu corpo podem ser excessivas ou não serem verdadeiras, ou pensar que elas provavelmente são verdadeiras, ou estar absolutamente convencido de que são verdadeiras. Quanto mais convencido você estiver de suas crenças, mais angústia e perturbação poderá experimentar em sua vida.

Quando consultar um médico?


Vergonha e constrangimento sobre sua aparência podem impedi-lo de procurar tratamento para o transtorno dismórfico corporal, porém caso você tenha qualquer sintoma, fale com um profissional de saúde mental.

O transtorno dismórfico corporal geralmente não melhora sozinho. Se não for tratada, pode piorar com o tempo, levando à ansiedade, contas médicas extensas, depressão grave e até pensamentos e comportamentos suicidas.

Se você tem pensamentos suicidas
Pensamentos e comportamentos suicidas são comuns no transtorno dismórfico corporal, logo se por esse ou qualquer outro motivo você pensa em tentar suicídio, procure ajuda imediatamente:

No Brasil, ligue para 188 ou para o número de emergência local imediatamente.
Ligue para seu médico de preferência um médico de saúde mental.
Fale com seu líder espiritual, padre, pastor ou qualquer líder espiritual que você conheça.


Faça nosso teste suicida e saiba o grau do risco de suicídio que você pode estar passando.

Como tratar a Dismorfia Corporal ou TDC?


O tratamento consiste em terapia cognitivo-comportamental além dos de antidepressivos que também são usados para tratar o transtorno obsessivo-compulsivo.

Um dos componentes mais críticos da terapia cognitivo-comportamental é a terapia de exposição. A terapia de exposição envolve expor um indivíduo aos seus maiores medos. Por exemplo, alguém que pensa que seu rosto é horrível pode tentar sair de casa sem usar maquiagem. A terapia de exposição é complicada porque ninguém quer se colocar em situações que vão fazer com que se sintam desconfortáveis.

O objetivo geral da terapia cognitivo-comportamental é trabalhar para substituir a linguagem estigmatizante por uma linguagem mais factual. Assim, esses indivíduos podem comentar sobre o formato de seu rosto com base em fatos, em vez de julgamentos. Quanto mais frequentemente seus pacientes praticam esse processo, menos ansiosos ficam.